NOTÍCIA

Conheça as principais mudanças da revisão da norma de acústica NBR 10151

A revisão da norma técnica de acústica NBR 10151 trouxe um novo ponto de vista no que se refere ao ruído em áreas urbanas. Intitulada “Acústica – medição e avaliação de níveis de pressão sonora em áreas habitadas – aplicação geral”, a atualização da norma tem agora duas aplicações bem definidas: medição e avaliação.
A revisão deixa bem explícito, na introdução, as suas aplicações práticas e diretas, como: ferramenta a ser utilizada pelo Poder Público na caracterização dos ambientes sonoros e controle da poluição sonora; controle do ruído gerado por obras de construção civil; elaboração de projetos e sua contribuição na paisagem sonora; e orientação na classificação de ruído, conforme preconizado na NBR 15575-4.
Outro ponto inserido na revisão são as aplicações e não aplicações da norma, informação colocada em seu Escopo. Mais um ponto bastante relevante é a definição das grandezas a serem utilizadas. Na versão anterior, a norma trazia apenas duas definições, LAeq e LRA, que são os níveis de pressão sonora equivalente e ambiente, respectivamente. Na nova versão, há quatro grandezas, incluindo ponderações em Z e frequência nominal e tempo de integração variáveis.
A revisão da norma traz detalhes de instrumentação, como a utilização do protetor de vento, já usado normalmente pelos laboratórios, mas que não era descrito. Ainda define procedimentos de verificação da calibração do sonômetro (equipamentos medidor), recomendando duas verificações por dia, uma obrigatoriamente antes do início das medições, como já é realizado pelos laboratórios, e outra durante as medições com intervalos longos.
A atualização da normativa também limita a realização das medições em condições adversas, informando que as mesmas não podem ser realizadas durante precipitações, trovoadas e fortes ventos. O tempo de medição, por sua vez, é definido na NBR 16313 (Acústica – Terminologia).
A revisão detalha todo procedimento de medição, tanto para áreas externas quanto para internas, apresentando distâncias entre pontos de medição, alturas de medição etc. Ela especifica, ainda, procedimentos para monitoramento de ruído de longa duração, aplicável ao planejamento urbano e controle de ruído.
Um complicador das medições de nível de pressão sonora era o controle das fontes geradoras de ruído, uma vez que, em casos específicos, não era possível desliga-las para se medir o ruído residual (ruído de fundo). Agora, permite-se que o ruído residual seja medido em outro ambiente, desde que demonstrado que ele possui características acústicas semelhantes.
O novo texto da NBR 10151 também permite estabelecer o nível de pressão sonora emitido por objetos específicos por meio de uma correlação entre o som total e o residual.
A versão anterior da norma determinava que as medições poderiam ser realizadas com as portas e janelas abertas ou fechadas, de acordo com a indicação do reclamante. Com sua atualização, elas passam a ser realizadas sempre com as esquadrias abertas.
Uma das grandes mudanças na norma também foi a inserção de três anexos:
Anexo A: Certificados de calibração. Este anexo apresenta as informações que devem constar no certificado de calibração do equipamento (analisador, microfone e calibrador).
Anexo B: Exemplos de localização de pontos de medição. Este anexo apresenta recomendações a respeitos dos pontos de medição, de acordo com o posicionamento das fontes sonoras.
Anexo C: Cálculo do Lden (Informativo). Este anexo apresenta a metodologia de cálculo para períodos intermediários, chamados de vespertinos. Ele é informativo e utilizado apenas quando previsto na legislação local o estudo em períodos específicos.

O QUE SE MANTEVE COM A REVISÃO – Alguns pontos da NBR 10151 não sofreram atualizações, como:
- Os níveis de pressão sonora máximos para cada área;
- O período máximo de calibração dos equipamentos, que é de dois anos;
- As medições em dois períodos, diurno e noturno.
- As distâncias mínimas de posicionamento dos equipamentos (1,2m de altura do solo e 2,0 m de quaisquer superfícies refletoras).